Tecnologia do Blogger.
RSS

Dragões, a Ilha Misteriosa e a Lança do Destino.

Parte 1

     Pedro, um homem pacato, honesto e trabalhador, estava saindo de seu trabalho para encontrar-se com sua mulher, Maria. Estava escuro e chovendo forte, ele estava preso no trânsito na ponte que cruzava o rio entre a sua casa e o local de trabalho. Trazia medicamentos para Maria que sofria de asma.

Autor: Gustavo Ribeiro

Parte 2

       Mais adiante, Pedro reparou que o trânsito fluía melhor. De repente, começa a escutar barulhos de explosões e do pânico das pessoas. Chegando ao local, depara-se com pessoas correndo, gritando e desviando de objetos em chamas. Do nada, surge uma enorme quantidade de grandes dragões vermelhos, soltando fogo pelas ventas e com fome de destruição.

Autora: Giuliana Martins 

Parte 3

      Pedro percebe que um dos dragões se separa do grupo e voa em sua direção, mas era tarde de mais. Com uma investida rápida, dando um rasante muito próximo do chão, a fera impulsiona o carro para cima jogando o carro no rio. Durante o acidente Pedro bate com a cabeça no volante e fica inconsciente.
       Pedro acorda numa ilha muito estranha e incomum. Ele observa o ambiente com atenção e consegue perceber construções antigas e quebradas,árvores secas, flores murchas, era uma terra seca e acinzentada,  e acima da ilha, existiam nuvens de poeira espessa que cobriam pequeno espaço que a ilha ocupava, tudo aquilo era resultado de anos e mais anos de poluição.

Autor: Lucas Viana

Parte 4

        No litoral da ilha ele percebe uma luz caindo sobre ele vagarosamente, e também nota uma voz com tom de sabedoria falando em sua cabeça:
- Pedro, te mandei para esta ilha, pois você era o único apto para esta missão. Você deve atravessar a ilha, chegar ao vulcão que há no coração da ilha e matar o dragão acima da boca do vulcão. Para realizar esse feito, te darei a lança do destino, a única arma que matará o dragão. Boa sorte em sua empreitada meu filho, vai precisar...
       Então, Pedro vê diante dele a lança do destino caindo do céu, uma lança dourada e brilhante. Com toda a sua determinação e com a arma em mãos Pedro parte em sua jornada rumo ao vulcão.

Autor: Yuri Vianna

Parte 5

      Depois de três dias de caminhada intensa, ele chega ao vulcão. Já no topo, Pedro tem uma surpresa inesperada: ele vê sua mulher Maria, pendurada por duas estacas de madeira, com quase três metros de altura cada. Ela gritava desesperada por ajuda, porém, antes que ele conseguisse pensar em alguma coisa, de dentro da lava fervente, um grande dragão vermelho explodiu em fúria para fora do vulcão. Pedro sentiu o calor que os olhos vermelhos cor de sangue do dragão provocavam em seu corpo, enquanto o observava, a besta conseguia enxergar dentro de sua alma.
      Pedro estava desesperado e não sabia o que fazer, ele se dividia entre a agonia de ver a pessoa que ele mais ama pendurada sobre uma piscina de lava, e o pavor de ter que enfrentar uma fera tão grande e poderosa. Nesse momento Pedro começou a sentir uma sensação estranha, e ele vê que a lança, que lhe foi confiada, começava a brilhar. Foi então que se lembrou das palavras que tinha escutado a dias atrás. Se lembrando disso, a força e a determinação que o levaram até aquele momento, começam a crescer nele. Ele desafia o monstro para combate que começou logo em seguida.
      O dragão dá um rasante em Pedro, mas ele desvia a tempo, o dragão voa para longe e volta para desferir mais um rasante sobre o guerreiro, porém desta vez a besta ao ver que Pedro se desvia novamente cospe fogo sobre ele, queimando o seu braço esquerdo. Pedro ferido, fica com o braço impotente. E mais uma vez o grande dragão vermelho volta para dar outro rasante, e o guerreiro em vez de se desviar, estica a lança no momento em que o dragão se aproxima dele, ferindo gravemente a asa direita da criatura e impossibilitando a fera de voar. Ele chega mais perto do dragão, deitado à beira da boca do vulcão, que o fitava com seus olhos mortais ardendo em ódio, quando ele ficou frente a frente do dragão, a besta pulou sobre ele tentando arrancar-lhe um pedaço com uma abocanhada, mas o valente guerreiro, Pedro, impede o golpe encravando a lança do destino no longo pescoço do dragão, matando ele instantaneamente, agora a fera que amaldiçoava aquele lugar estava morta. A sua jornada havia finalmente acabado. Agora estava pronto para voltar para casa. Mas antes de conseguir soltar sua mulher aquela mesma luz que havia "falado" com ele antes, agora caia sobre ele de novo, e agora sobre Maria também. E em alguns segundos ele estava de volta ao lugar onde morava, ainda com as feridas da batalha e com as marcas que foram feitas em seu corpo durante o tempo que passou na ilha. Sua mulher estava do seu lado e os dois estavam em casa.

Autor: Lucas Rodrigues

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

0 comentários:

Postar um comentário